Google+ Fevereiro 2015 | A Pirâmide de Kukúlkan

O último reduto onde os Asseclas do CONCLAVE encontram-se...

PIRATAS!!! - Cap. 258

― Entendo. Todavia, não tema, mulher. 
Sangre late, mas não morde. 
É menos que um cão. 
Porém, alguém maior lhe garante poder 
e esta é tua missão: descobrir quem 
ou o que lhe dá sustentação. 
Só então poderás destruí-lo para mim.
― Sim, Senhor das Marés!
― E para que não te esqueças 
a quem deves obediência...
Com estas palavras o portentoso 
ser divino reduziu-se a uma 
fração de seu poder e 
assumindo o aspecto humano 
emergiu das águas 
empunhando seu tridente. 
A bela negra não ousou 
erguer os olhos a sua divindade, 
o nume, todavia, 
segurou seu pulso esquerdo 
e a fez levantar-se. 
Incapaz de atrever-se a sustentar 
o olhar da deidade, 
mantém a cabeça baixa. 
Porém, o poderoso Deus dos Mares 
gentilmente soergueu lhe 
o queixo entre os dedos 
e ali, onde a terra, o céu 
e o oceano se encontram, 
sob o esplendor do amanhecer 
e as derradeiras estrelas por testemunha, 
realizou o desejo máximo 
de qualquer mulher: 
ser possuída por um deus!


Já era passada quase 
metade da manhã quando, 
depois de muito sacrifício, 
o quarteto, escoltado pelos Kolyforns 
que os encontraram, 
finalmente avista a entrada da aldeia.
Enquanto vencem as últimas jardas 
que os separam de seu refúgio (?
os espanhóis confabulam:
― Estive pensando: 
que fim terá levado Olavídez? 
Desde o naufrágio não mais o vimos...
Lembra o Aranha-Do-Mar. 
Ao que Chuk-Chuk, 
pensando um pouco responde.
― É vero. Também não o encontrei na aldeia, 
creio que não teve a mesma sorte que nós...


Poseidon odeia Sangre, todavia intui que...


...por trás dele há um poder maior,
capaz de desafiar os Deuses Antigos!


Para garantir a lealdade de sua serva,
o Deus dos Mares, usando uma ínfima fração
de seu vastíssimo poder...


...toma a forma de um homem...




...e sob as últimas estrelas da madrugada...


...ele possui sua serva...


...até o amanhecer!!!

PIRATAS!!! - Cap. 257

Com mais agilidade e eficiência 
do que se poderia esperar 
de uma rolha de barril daquele tamanho, 
Craca auxilia e orienta seus companheiros 
a pôr os morteiros 
onde Morgan desejava. 
Carregam, munem, põem o pavio 
e aguardam a ordem.


Horas antes, longe dali.

Uma bela e seminua nativa 
afastara-se da aldeia e caminhou 
por uma trilha pouco utilizada 
que levava até o litoral. 
Evitado pela tribo, 
o lugar cercado pelos 
Penhascos da Dor 
é conhecido como 
a Baía do Sangue
Chegando lá, se despiu 
das poucas roupas 
que ainda cobriam 
parcamente seu lindo corpo, 
colocou um pé na areia 
e outro dentro da água, 
ergueu os braços aos céus e 
entoou um cântico místico 
de grande poder. 
Seu corpo nu, 
banhado em suor 
e iluminado pelo lusco-fusco 
que timidamente se anunciava 
do outro lado da ilha 
aos poucos foi envolto 
por uma luz azulada 
que tingia o ar a sua volta. 
Subitamente o mar recuou 
e uma gigantesca 
coluna d'água ergueu-se, 
moldou-se e assumiu 
aspecto humanóide. 
Um ser colossal com quarenta 
ou cinquenta jardas de altura 
solidificou-se a partir das águas do mar.
A negra prostrou-se de joelhos 
na areia murmurando:
― Mestre Poseidon!
― Fale serva.
Ordenou a voz retumbante.
― Poderoso Senhor dos Oceanos, 
a tempestade que invoquei 
graças aos poderes que 
vós me concedestes 
não foi o suficiente 
para destruir vosso inimigo.
― Todavia afundastes a 
preciosa embarcação dele.
― Sim, ò Deus dos Mares, 
é verdade, mas isso tão somente 
despertou a ira de Sangre. 
Ainda esta noite eu o vi invocar, 
subjugar e humilhar um demônio! E...
― E o que? Diga serva!
― Ele o ameaçou! Ao senhor, 
o Supremo Regente dos 
Abismos Marinhos! 
Blasfemou que 
iria atrás de vós quando tudo acabasse”!


Os piratas espanhóis enfim
tem o refúgio de Sangre na mira!


Em outra parte, horas antes,
a feiticeira da aldeia caminhava
ao encontro de seu Mestre...


..onde os elementos da Natureza se tangem...


...energias arcanas e elementais a envolvem...


...no momento em que aquele
a quem ela serve, emerge das águas do mar...


...POSEIDON!!!!


Foi ele quem a imbuiu de poder suficiente
para provocar a avassaladora tempestade...


...que pôs a pique o galeão Demônio Maia!!!


Isso só serviu para irritar Sangre que chegou as raias de invocar
os diabos do Inferno...


...e ameaçar um DEUS!!!

PIRATAS!!! - Cap. 256

Pouco depois de realizarem 
uma rápida refeição, 
mandando bucho adentro 
uma gororoba das mais indigestas 
e terem sido instruídos 
acerca do modo de ataque; 
os piratas partem em fila indiana 
subindo a trilha que contornava 
a Montanha do Crânio.
Enquanto percorre aquele 
caminho mortal John Crow 
aproxima-se da pirata loura 
e confabula com ela:
― Há algo que ave viu de que 
não falei Morgan.
― E que é?
― Aparentemente há algum 
tipo de conflito entre os espanhóis, 
um deles matou a bruxa da aldeia.
― Um possível aliado talvez?
― Infiltrado? Não sei; tudo é possível. 
Mas é bom ficarmos atentos...
― A idade lhe trouxe sabedoria, John Crow. 
Meu imediato, Stewe Mad Dog, 
pereceu no combate, 
se quiser o lugar dele será seu.
― Grato pela lembrança, mylady
Mas ainda hei de recuperar meu navio!
― Oh, tens um navio? E onde ele está?
― No fundo do oceano! 
Por obra de Sangre...
― Entendo exatamente o que sentes John. 
Ao menos já demos a ele uma amostra 
de nossa dor quando 
afundamos o Demônio Maia.
― Dar-lhe-emos mais, mylady
dar-lhe-emos muito mais...
Arfava John Crow a cada passo 
na árdua trilha. 
Conforme Aislyin previra 
por volta das dez horas da manhã 
eles avistam, do alto da vereda, 
o cemitério vodu. 
Coordenando silenciosamente 
seus homens ambas as capitãs 
os dispõem da forma 
mais mortal possível! 
Como um cardume de tubarões 
aguardando que um naco de carne 
seja lançado ao mar, 
os flibusteiros ingleses 
anseiam pelo conflito! 
A um sinal de Morgan eles avançam 
sub-repticiamente por entre árvores, 
arbustos e macegas.
― Craca!
― Aqui senhora! Os canhões 
estão intactos, conforme ordenou.
― Que bom pra ti! 
Disponha ambos aqui e ali,
ocultos pela mata e as rochas,
mirem no meio da aldeia 
e aguardem meu sinal!




Os piratas forram o bucho antes de partirem...


...do rochedo Trono de Lúcifer...


...rumo a Trilha da Morte Súbita!!!


Como se tudo o que sua ave relatou
já não fosse arrepiante por si só,
John Crow, revela a Morgan
mais uma informação assaz intrigante!   


Quando enfim os piratas
avistam o cemitério vodu...


...Morgan passa novas ordens ao Craca...


...ocultar entre as árvores e pedras...


...as peças de artilharia
(tão sofridamente trazidas até ali)
até o momento do ataque!


PIRATAS!!! - Cap. 255

John Crow aproxima-se de amigo 
e colocando a mão em seu ombro o consola:
― Não era bem assim que tu esperavas 
que ela pegasse nas tuas bolas, 
não é mesmo?
Os esbaforidos reforços convocados 
estão ao sopé do rochedo 
aguardando suas capitãs.
Aislyin não demora a recebê-los 
com sua costumeira sutileza:
― Enfim chegou o bando de macacos! 
Mais um pouco e iríamos esperar 
nossos inimigos morrerem de velhice!
Joga os sacos com munições 
e armas aos piratas.
― Armem-se até os dentes, 
hoje iremos confrontar 
nosso maior adversário: Sangre! 
Se houver algum covarde aqui, 
dê um passo à frente para que eu 
possa cortar sua garganta de vez!
Os piratas engolem em seco e tratam 
de se munir o máximo que podem!
Aislyin ou Sangre: o que poderia ser pior?
Morgan caminha até umas moitas fechadas 
e com seu sabre as apara até que 
sob elas descortinam-se 
dois pequenos canhões.
― Craca!
Berra a capitã impaciente.
― Estou aqui senhora.
Não tarda a aparecer 
o esbaforido ex-timoneiro.
― Sua missão: levar conosco 
estas duas peças de artilharia.
Craca não é exatamente o que 
se poderia chamar de 
um pirata atlético e vigoroso, 
ainda mais arrastando consigo 
um corpanzil de quase 
300 libras de peso!
― Mas, mas, mas, mas... Mylady 
como espera que eu...
Sem demonstrar muita tolerância 
com a estultice de seu subalterno 
ela esclarece:
― Não você seu cérebro de ostra! 
Peça a outros que os carreguem, 
tua responsabilidade é não os deixar 
despencarem abismo abaixo!
― Ah, entendi...
― Que bom! E só para deixar bem claro: 
tu irás acompanha-los a onde eles forem...
Uma gota de suor escorre pela fronte 
do gordo flibusteiro.
― Sim senhora.


Aislyin dá as boas-vindas aos
reforços recém-chegados...


...que ao saberem qual será
o adversário, sentem calafrios...


...um medo não aplacado nem
com todas as armas trazidas por ela.


Enquanto isso Morgan procurava algo
em meio a mata próxima:


Dois pequenos e discretos canhões...


...escondidos por ela para um momento
de eventual  necessidade.


Ela instrui seu timoneiro em
mais uma espinhosa missão:


...levar os canhões através
da Trilha da Morte Súbita!!!!

PIRATAS!!! - Cap. 254

― Não me interessa que Sangre invoque 
demônios ou anjinhos com auréolas! 
Ele é homem, sangrará como um homem 
e morrerá como qualquer outro 
se enfiarmos um sabre em seu coração imundo! 
Conte-nos o que viu lá cima, Aislyin.
Após recolocar as botas a Louca 
aproxima-se do grupo e 
com um graveto rabisca no chão:
― Sangre está na aldeia que fica 
do outro lado da Montanha do Crânio. 
Nós estamos aqui, no Trono, 
partindo daqui, subiremos até 
a Trilha da Morte Súbita 
que contorna a montanha. 
Quase ninguém sabe dela, 
eu mesma só a descobri acidentalmente, 
sairemos atrás do cemitério da aldeia, 
fora do campo de visão deles, 
não nos verão até ser tarde demais. 
Só há um problema: é muito íngreme, 
não poderemos ir de noite. 
Meu conselho é partirmos agora, 
chegaremos lá em menos de duas horas.
― Poderes sobrenaturais, demônios, 
cemitérios, canibais, vudu... 
Por que eu tenho a impressão 
que vamos nos dar mal?
Questiona Reneger. 
Todos se voltam para ele 
(incluindo o corvo) e antes que 
alguém possa dizer algo 
a ave crocita alto o bastante 
para deixar qualquer um surdo! 
Ela então alça voo e 
pousa no Trono de Lúcifer.
― Parece que sua mascote afinal 
encontrou o poleiro certo, John Crow. 
Ironiza Aislyin.
Nisso Morgan aproxima-se de Sarresian 
e enfiando a mão entre suas pernas 
vocifera rispidamente:
― Mais um comentário covarde desses; 
e eu juro por todos os Santos 
que arrancarei tuas bolas com as mãos 
e as jogarei aos tubarões!
― Siiiiiiimmmm, senhooooooraaaaa!!!!!
Responde fininho o pirata Mèrton.
Ela o solta e girando nos calcanhares 
toma o rumo da trilha que ladeia o Trono. 
A bela morena a acompanha.


Apesar de tudo, Morgan não teme Sangre
e tenciona enfiar seu sabre
naquele amargo coração de pesadelo!


A Trilha da Morte Súbita
é o caminho sugerido por Aislyin.


Sarresian é uma unanimidade:
nem o corvo o suporta!


E ele tem o dom sutil de irritar Morgan...


...que se pudesse jogaria certas partes
do corpo dele aos tubarões!!!





PIRATAS!!! - Cap. 253

― Tu me falaste 
do teu... problema. Lembras?
― Sim, Morgan, claro que lembro, 
foi assim que nos conhecemos, 
como poderia me esquecer disso? 
Mas o que tem haver...
― John Crow tem um... Bom você viu...
Murmura apontando com a cabeça 
a ave sobre o espaldar do velho bucaneiro.
― Ele nos disse que o corvo 
viu Sangre usando poderes mágicos 
ou algo assim...
― Mãe de Deus!
― E... Ele invocou o... demônio!
― O que? Fala sério, Morgan! 
Isso é um pouco demais, você não acha?
― O que eu acho não importa! 
O que interessa é que eu não te quero 
lá embaixo quando formos enfrentar 
aquele bastardo! Fui clara?
Aislyin se revolta!
― Nem ferrando! Se pensas 
que vou fugir ao combate 
por causa de um pouquinho de remela, 
tu estás mais louca que eu, querida!
― Aislyin eu não estou dando opções. 
Tu vais fazer o que estou mandando 
e ponto final.
As duas se encaram fixamente, 
quase dá para sentir a eletricidade 
entre as duas! Aislyin recua 
e muda a tática.
― Morgan, pense bem: sabes que 
os marujos me respeitam por 
nunca fugir a uma batalha, 
se fizer isso agora, 
que autoridade eu terei 
quando partirdes novamente, 
e eu tiver de ficar aqui só, 
nesta ilha com eles.
Apesar da emoção Morgan reflete 
um instante e vê que poderia criar 
uma situação ainda pior...
― Está bem Aislyin, mas 
não se aproxime de Sangre, 
ele é meu. Estamos entendidas?
Sorrindo a morena bate continência:
― Sim capitã.
No que Morgan se vira para falar 
com os outros sobre seu plano de ação, 
Aislyin lhe sapeca um generoso 
tapa no bumbum que quase a derruba!
Diante do olhar atônito de todos, 
Morgan morde o lábio inferior, 
mas se mantém firme.

Morgan se impõe a Aislyin...


...ao presenciar o efeito
que o corvo de John Crow...


...teve sobre ela!


Aislyin não aceita a decisão
de sua capitã e amante,


...consegue dissuadi-la e
mostra sua gratidão de maneira...
picante!!!!